SIGEP – Informações Sobre Gestão Publica

História Da Segurança E Saúde No Trabalho

A história mostra que, desde o início da trajetória humana na Terra, o ser humano buscou formas de amenizar os riscos de suas atividades diárias. Quando se pensa em equipamentos de proteção individuais , o mais comum é associar o seu desenvolvimento à revolução industrial.

Através de nossa auditoria identificamos no ambiente de trabalho da sua empresa as situações que podem gerar multas trabalhista e acidentes do trabalho. A Norma Regulamentadora número 17 do Ministério do Trabalho estabelece parâmetros que permitem a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar o máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. Proteger os trabalhadores e as trabalhadoras nos locais de trabalho, reforçando as medidas de SST, adotando modalidades de trabalho flexíveis , prevenindo a discriminação e a exclusão, proporcionando acesso à saúde para todos e expandindo o acesso a licenças remuneradas. Apoiar as empresas, o emprego e os rendimentos, através do alargamento da proteção social a todos, da aplicação de medidas de retenção de emprego, da concessão de benefícios financeiros/fiscais e outros destinados às empresas. Conhecidos os perigos a que algumas atividades econômicas estão sujeitas, como evitar que tragédias aconteçam? Por meio de medidas de prevenção a acidentes de trabalho, sendo o Equipamento de Proteção Individual uma dos meios mais básicos e conhecidos instrumentos para tal. No período de 2012 a 2020, a lesão mais frequentemente presente em comunicações de acidentes de trabalho , considerando o universo de trabalhadores com vínculo de emprego, foi de corte, laceração, ferida contusa ou punctura (21%), seguidos de fratura (17%) e contusão/esmagamento (15%).

Os ancestrais humanos usavam, por exemplo, peles de animais para se proteger do frio e da chuva, bem como objetos de proteção contra predadores, como pedras e lanças. Quando falamos de OHSAS 18001, ela cuida dos procedimentos necessários para o bem-estar físico de trabalhadores, ou seja, ela versa sobre prevenção aos acidentes de trabalho. Para isso, esses profissionais podem utilizar seminários, palestras, programas e cursos para a conscientização dos colaboradores do local, a fim de educar essas pessoas com uma cultura organizacional voltada para a promoção da saúde e da segurança.

Quanto às partes do corpo, as mais atingidas foram dedo (24%), pé (8%), mão (7%) e joelho (5%). Máquinas e equipamentos (15%), agentes químicos (14%), queda do mesmo nível (13%), veículos de transporte (12%) e agentes biológicos (12%) compõem os cinco agentes causadores mais frequentemente citados em notificações de acidentes de trabalho. Por fim, as ocupações citadas com maior frequência são alimentador de linha de produção (6%), técnico de enfermagem (6%) e faxineiro (3%).

Esses profissionais devem oferecer melhorias ao ambiente de trabalho e aos seus componentes, garantindo que todas as NRs sejam aplicadas. É um papel essencialmente de prevenção, embora não seja vedado o atendimento de emergência quando for solicitado. Eles, inclusive, são responsáveis por elaborar planos de efeitos de catástrofes, por garantir a disponibilidade de meios que visem ao combate a incêndios e por oferecer imediata atenção à vítima deste ou de qualquer outro tipo de acidente. Contribuir para o ajustamento físico e mental do trabalhador, obtido especialmente pela adaptação do trabalho aos trabalhadores, e pela colocação do trabalho aos trabalhadores, e pela colocação destes em atividades profissionais. Hipócrates, conhecido como o pai da Medicina, já relatava casos de intoxicação por chumbo encontrados em trabalhadores de minas. No livro de Lucas, no Novo Testamento, há menção ao desabamento da Torre de Siloé, em que faleceram 18 prováveis trabalhadores.

Decreto-Lei n.º 35/2020, de de 13 de julho, altera a proteção dos trabalhadores contra os riscos ligados à exposição durante o trabalho a agentes cancerígenos ou mutagénicos, transpondo as Diretivas 2017/2398,2019/130e2019/983. Decreto-Lei n.º 301/2000, de 18 de novembro, regula a proteção dos trabalhadores contra os riscos ligados à exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos durante o trabalho. Portaria n.º 1456-A/95, de 11 de dezembro, que regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e de saúde no trabalho e que revoga a Portaria n.º 434/83, de 15 de abril. Decreto-Lei n.º 141/95, de 14 de junho, que estabelece as prescrições mínimas para a sinalização de segurança e de saúde no trabalho. Decreto-Lei n.º 349/93, de 1 de outubro, transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva 90/270/CEE, do Conselho, de 29 de maio, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde respeitantes ao trabalho com equipamentos dotados de visor. Sobre os Riscos com as Radiações Ionizantes, a NR 32 diz que é obrigação do empregador manter o PPR (Plano de Proteção Radiológica) no ambiente de trabalho. O motivo é que este documento fique à disposição de todos os trabalhadores do local.

Ao realizar todas essas medidas e, especialmente, contar com ajuda especializada para implementar a saúde e a segurança no trabalho, você sente os efeitos positivos. No entanto, com o uso consciente dos planos de saúde pelos colaboradores e a redução de acidentes e doenças físicas e mentais, seu negócio tem maior poder de negociação. Como o reajuste adotado é o modelo fee for service, você tem chance de argumentar e obter percentuais melhores e até abaixo da média brasileira. Apesar disso, os dados relativos à saúde e segurança corporativos nem sempre são positivos. Entre 2012 e 2018, foram registradas uma morte por acidente de trabalho a cada 3 horas e 40 minutos, o que resulta em 17.200 falecimentos devido a incidentes ou doenças referentes à atividade laboral. No âmbito da Secretaria do Trabalho existem 37 Normas Regulamentadoras que consistem em obrigações, direitos e deveres a serem cumpridos por empregadores e trabalhadores com o objetivo de garantir trabalho seguro e sadio, prevenindo a ocorrência de doenças e acidentes de trabalho. Além disso, é importante que as empresas também se mantenham atentas às doenças psíquicas inerentes a esse momento tão delicado.

De forma geral, a área é responsável por criar as medidas necessárias para minimizar os riscos presentes no ambiente laboral, tornando-o mais seguro e agradável para trabalhar. Também é responsável por estudar a legislação trabalhista vigente e garantir que ela seja seguida, com o estabelecimento de procedimentos e programas voltados para essa função. Se pudéssemos escolher uma única frase para definir a importância da Saúde e Segurança do Trabalho dentro das empresas, seria “prevenir acidentes e doenças ocupacionais”. Decreto-Lei n.º 274/95, de 23 de outubro, que transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva 92/29/CEE, do Conselho, de 31 de março, relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde que visam promover uma melhor assistência médica a bordo dos navios. Portaria n.º 356/98, de 24 de junho, que regulamenta as prescrições mínimas de segurança e de saúde no trabalho a bordo dos navios de pesca. Decreto-Lei n.º 116/97, de 12 de maio, que transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva 93/103/CE, do Conselho, de 23 de novembro, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde no trabalho a bordo dos navios de pesca.

A atual geração de profissionais nunca enfrentou uma pandemia ou mesmo o estresse prolongado ao qual está sendo submetida. Portanto, muitos problemas psicológicos podem surgir nessa fase, como Segurança e Saúde no Trabalho ansiedade e depressão. Ele também pode ser caracterizado como uma doença de ordem ocupacional, mesmo que não seja comprovada a relação da contração do vírus com as atividades profissionais.